terça-feira, 12 de julho de 2016

Jeunesse Global

                                                  rejanedamasceno.jeunesseglobal.com


quarta-feira, 1 de junho de 2016

7 passos recomendados por profissionais de saúde para você emagrecer controlando o estresse e a ansiedade...


Quem não sofre com a ansiedade, a compulsão e a impulsividade pela comida, principalmente pelos alimentos não saudáveis?!

Nos últimos anos ocorreram muitas mudanças na sociedade que levaram as pessoas a terem uma vida cada vez mais agitada e com muito mais trabalho e estresse do que antigamente. E graças ao mundo moderno em que vivemos, quase nos esquecemos de como levar uma vida saudável e sem estresse.

Segundo a ABESO (Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica) sintomas de estresse, tais como ansiedade, nervosismo e o hábito de se alimentar quando problemas emocionais estão presentes, são comuns em pessoas com sobrepeso ou obesidade, o que sugere uma relação entre o estresse e a obesidade.

O estresse pode ser um potente fator no desenvolvimento de gorduras visceral e abdominal, provavelmente por influência do cortisol, hormônio que está ligado ao ganho de peso.
Gostaria de passar os 7 passos recomendados pela equipe de profissionais do Vida Funcional para você emagrecer controlando o estresse e a ansiedade:

1. Café da manhã: Para começar o dia bem, nada melhor do que uma refeição reforçada e rica em diversos nutrientes. O café da manhã é importante para fornecer energia ao corpo para realizar as tarefas ao longo do dia. Para isso, consuma alimentos fontes de carboidratos (batata doce, aipim, inhame, batata yakon), lipídeos (abacate, leites vegetais, como leite de amêndoa, castanha de caju e coco) e proteínas (ovos, frango, tofú).

2. Comer de 3 em 3 horas: Para o sucesso na sua mudança de hábitos alimentares, você deve comer, pelo menos, de 3 em 3 horas. Longos períodos sem se alimentar podem fazer com que você dê espaço para a fome e exagere nas refeições subsequentes. Ter horários específicos para as refeições é fundamental para a saúde, emagrecimento e bem-estar.

3. Evitar tomar café em excesso: As grandes quantidades de cafeína podem aumentar o nível de cortisol, o hormônio do estresse e que está ligado ao ganho de peso. Por isso é aconselhável consumir em torno de 2 a 3 xícaras/dia. Por outro lado pode abusar dos chás: tome chás calmantes durante o dia (melissa, também conhecida como erva-cidreira, maracujá, camomila e valeriana), eles vão te ajudar a relaxar e diminuir o estresse e a ansiedade.

4. Encontre uma atividade que te dê prazer: Procure fazer alguma atividade ou exercício que deixe feliz, como por exemplo dançar. Durante a prática regular de atividade, são liberadas substâncias que dão a sensação de bem-estar melhorando assim a capacidade de lidar com problemas que atrapalham sua autoestima e que causam estresse, além de favorecer a perda de peso com o gasto de energia.

5. Alimentos ricos em triptofano e tirosina: Esses alimentos ajudam na formação de serotonina, proporcionam uma sensação de bem-estar e, por isso, devem ser consumidos de preferência na parte da manhã para que o seu efeito possa ser sentido durante o dia. Eles são: linhaça, aveia, sementes de abóbora e girassol, nozes, castanhas, leguminosas, banana, abacate, ovo, frango, peixes e chocolate 70% cacau.

6. Dormir bem: Ter uma boa noite de sono é um hábito essencial para quem quer aumentar a qualidade de vida. O sono é um momento de descanso físico e mental. É nesse período do dia em que nos permitimos recuperar toda a energia gasta durante as atividades diurnas e noturnas, possibilitando que o metabolismo corporal funcione corretamente no dia seguinte.

7. Medite: Você sabia que quem medita consegue lidar melhor com situações de estresse e ansiedade? Sabemos que a meditação sozinha não resolve todos os nossos problemas, mas essa prática com uma boa alimentação e atividade física acaba potencializando o bem-estar do indivíduo! 

P.S. Se você é cristão e gosta de ler a Bíblia medite nela e acalme a sua alma, espírito e consequentemente seu corpo.

Não faça dieta! Faça reeducação alimentar!


De acordo com o Ministério da Saúde, a OBESIDADE e o SOBREPESO já matam mais que a Aids no Brasil. São cerca de 80 mil mortes por ano.

Segundo uma pesquisa divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas) o número de brasileiros acima do peso já passa de 82 milhões de adultos e, o pior, este número não para de crescer.

Segundo o Dr. Rubens Amaral, nefrologista que enfrenta diariamente os efeitos da obesidade e sobrepeso em seus pacientes, vivemos uma epidemia global de Obesidade. Segundo ele, a medicina perdeu o combate contra a obesidade e a tendência é que em breve os efeitos sejam devastadores para toda a humanidade.

Para o Dr. Rubens Amaral, a Obesidade e o sobrepeso já são as principais causas de morte no mundo atualmente, matando mais que a guerra, a violência urbana e, ironicamente, a fome. De acordo com este especialista, isso se deve ao fato de a obesidade e o sobrepeso desencadearem diversos problemas de saúde, que poderiam ser evitados, caso as pessoas mantivessem seu peso ideal, como:
Este problema é ainda mais grave para as MULHERES!!!

Segundo os especialistas, a tendência é que as mulheres sejam as principais vítimas desta epidemia global nos próximos anos. O motivo para isso é inacreditável!!!

Mulheres fazem mais regimes e dietas que homens!!!
Por mais absurdo que pareça, a primeira vista, cientistas e pesquisadores do mundo todo chegaram a uma conclusão surpreendente: NÃO FAÇA DIETA!

A explicação para isto foi publicada pela Frontiers of Psychology em 2013, em que explicam o efeito “what the heel” (algo como “que se dane”, em uma tradução livre). Segundo a publicação, estudos realizados com milhares de pessoas por todo o mundo mostram um elevado ganho de peso em médio prazo para todas as mulheres que fizeram algum tipo de regime ou dieta.

Em uma pesquisa feita com 20 mulheres que fizeram regimes e dietas, após um período de pouco tempo, 15 delas haviam apresentado ganho de peso superior ao peso perdido durante a dieta, o famoso efeito sanfona.

Além de todos os problemas físicos que a obesidade e o sobrepeso causam, nas mulheres existe um efeito ainda mais devastador, A DEPRESSÃO. A depressão, por sua vez, é um fator que atrapalha o emagrecimento, jogando as mulheres, do mundo todo, em um ciclo vicioso de tentativas frustradas de emagrecer, depressão, culpa e engordar cada vez mais.

Diversas pesquisas mostram que mulheres acima do peso tendem a se fecharem em casulos por não se acharem bonitas ou atraente, encontrando conforto no alimento e engordando cada vez mais. Por outro lado, homens de todo mundo, talvez por conta dos padrões vigentes impostos pela mídia, demonstram cada mais rejeição às mulheres que estão acima do peso.

terça-feira, 18 de agosto de 2015

Alimentos Orgânicos


 
Em relação aos alimentos convencionais, os orgânicos contém mais minerais como ferro, selênio e potássio.
Uma alimentação balanceada é importante em qualquer fase da vida, pois é a garantia de uma vida saudável. Entretanto, precisamos ficar atentos aos alimentos que colocamos em nosso prato, pois muitos deles fazem mal à nossa saúde e ao meio ambiente, devido à quantidade de agrotóxicos que eles possuem.
Esses itens podem causar problemas digestivos, doenças neurológicas e degenerativas, como Mal de Parkinson e Alzheimer, inflamações, infertilidade, câncer entre outras. Para fugir dos agrotóxicos uma opção é aderir aos alimentos orgânicos."Eles cuidam do solo, da água, do meio ambiente e da saúde de quem os produz e consome".
Os produtos orgânicos são cultivados sem o uso de adubos sintéticos, principalmente nitrogênio, fósforo e potássio e sem o uso de agrotóxicos. A produção trata a propriedade rural como um organismo vivo, ou seja, cuida de todo o meio ambiente no entorno sem poluir mananciais e o solo e sem provocar erosão. "Orgânicos são cultivados em solos equilibrados e ricos em nutrientes. Isso beneficia a planta e, consequentemente, quem a consome".
Já os alimentos hidropônicos são aqueles cultivados em estufas e recebem adubos químicos dissolvidos que poluem a água com os resíduos do cultivo, principalmente com nitritos. "Essas substâncias provocam aumento do risco de câncer". 
Segundo levantamento da Anvisa os alimentos convencionais mais contaminados por agrotóxicos são o pimentão (92%), morango (64%), pepino (58%), alface (54%), abacaxi (33%), couve (32%), mamão (30%) e tomate (16%). E mesmo na lavagem com cloro ou vinagre para higienizar as verduras, frutas e legumes o agrotóxico não sai dos alimentos.
Para saber se o produto que você está levando para casa é realmente orgânico, fique atento se o mesmo possui o selo brasileiro determinado pela Lei dos Orgânicos ou pela declaração do produtor orgânico familiar. E não se deixe enganar! Nem todo alimento produzido sem agrotóxico é orgânico.
"Ele pode ser cultivado sem o uso de agrotóxico, mas se for usado com adubo sintético deixa de ser orgânico". "Para ser considerado orgânico, há diversas regras que o produtor rural precisa seguir e que vão além do não uso de adubos químicos e agrotóxicos. Alguns exemplos são o respeito ao meio ambiente, à legislação ambiental, condições dignas de trabalho, entre outras", completa. Alimentos orgânicos fazem bem à saúde por serem mais completos nutricionalmente, mais saborosos e ricos em alguns minerais como ferro, selênio e potássio do que os convencionais."Eles são benéficos à saúde também de quem os produz e manipula, por não haver risco de intoxicação nos alimentos orgânicos".
Nos supermercados já é possível encontrar uma grande variedade de alimentos orgânicos. Quanto menos aditivos químicos você consumir, melhor será a sua qualidade de vida!